Acessibilidade
Evento
Seminário|Visualização, Exploração de Dados/Missão Gaia da ESA e outras Big Data

Seminário|Visualização, Exploração de Dados/Missão Gaia da ESA e outras Big Data

ISEL | AUDITÓRIO A , 20 / Fev / 19 às 14:00

SEMINÁRIO DE FÍSICA

4ª-feira, 20 de Fevereiro 2019, 14:00, Auditório A do ISEL

Visualização e exploração dos dados da missão Gaia da ESA e de outras Big Data

André Moitinho de Almeida

CENTRA, Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa

Em 2022, a missão Gaia da ESA terá produzido um arquivo de dados da ordem do petabyte. O mesmo acontecerá durante a próxima década com a missão da EUCLID. O telescópio LSST, que iniciará operações por volta de 2020, produzirá vários petabytes. De facto, espera-se que a maioria dos dados que levem a novas descobertas astronómicas provenham de enormes arquivos on-line.

Com a segunda entrega de dados Data Release 2 em abril passado, que contou com quase 1700 milhões de fontes, a informação contida no arquivo de dados Gaia é já inimaginável. Está também a transformar a forma como a exploração de dados é feita.

Da panóplia de métodos usados para exploração de dados, a visualização é muitas vezes o ponto de partida e até mesmo a referência que orienta o pensamento científico. No entanto, os volumes de dados de que passamos a dispor não podem ser explorados eficientemente com ferramentas, técnicas e hábitos tradicional. Neste seminário, apresentarei a abordagem desenvolvida para o Arquivo da missão Gaia. O Gaia Archive Vizualtion Service (GAVS) é simultaneamente uma plataforma web para exploração visual interativa dos dados Gaia; e um provedor de representações visuais inteligíveis do enorme conteúdo de informação do arquivo. Exemplos dessas representações são os mapas celestes que se tornaram as imagens icónicas da missão. Como serviço da web, o GAVS está desenhado para lidar com muitos utilizadores simultâneos a explorar uma variedade de gráficos de modo escalável. O serviço provou ser robusto, não tendo caído nos meses em que esteve em funcionamento na ESA, apesar de várias épocas de acesso pesadas e considerando que é sustentado por uma única máquina.

Lições aprendidas e desafios em aberto para Gaia e missões futuras, ainda maiores, serão discutidos.