Acessibilidade
Notícia
ISELGREEN, rumo a um planeta mais verde

ISELGREEN, rumo a um planeta mais verde

Notícia escrita em 23/10/2019

 

A melhoria incessante da sustentabilidade energética é um objectivo planetário, estando Portugal nos lugares cimeiros do desenvolvimento sustentável. As instituições públicas nacionais têm um papel fundamental neste desenvolvimento, não podendo o ISEL alhear-se de tal desígnio mundial. Foi neste sentido que o ISEL submeteu e viu aprovado o projeto ISELGREEN. Este projeto visando melhorar a sustentabilidade energética do Campus do ISEL, irá permitir: 

  • Reduzir a fatura energética;
  • Instalar equipamentos e redes de elevada eficiência energética;
  • Reduzir a dependência de combustíveis fósseis;
  • Transitar para uma economia com baixas emissões de carbono.

O ISELGREEN enquadra-se nas três vertentes definidas no aviso de abertura POSEUR-03-2016-65, nomeadamente: 

  • Intervenções que visem o aumento da eficiência energética;
  • Intervenções ao nível da promoção de energias renováveis para autoconsumo que visam a eficiência energética;
  • Auditorias, estudos, diagnósticos e análises energéticas necessários à realização dos investimentos e à implementação de Planos de Ação de eficiência energética. 

Após implementação das medidas previstas no projeto, o consumo atual (referente ao ano de 2016) de 6.9 GWh será reduzido em 3.0 GWh, correspondendo a uma redução do consumo energético primário anual em 43.5%. Tal permite uma subida em duas classes energéticas, passando do nível C para o nível B da certificação energética. Tal permitirá uma poupança energética anual de aproximadamente 140 mil euros. 

Neste momento estão em fase de execução sete das onze Medidas de Utilização Racional de Energia (MURE´s) previstas, correspondendo a um grau de execução de 62%, denotando assim um bom desempenho na execução deste projeto. As medidas em fase de execução são: 

  • MURE 1. Instalação de sistema solar fotovoltaico para produção de energia para autoconsumo;
  • MURE 4. Substituição dos chillers antigos por dois novos, mais eficientes;
  • MURE 5. Substituição dos splits por equipamento mais eficiente;
  • MURE 8. Substituição das bombas de calor existentes no Edifício F por outras mais eficientes;
  • MURE 9. Instalação de nova Unidade de Tratamento de Ar com melhores eficiências energéticas;
  • MURE 10. Otimização do consumo em standby, através de sistema de monitorização automático do consumo de energia;
  • MURE 11. Aplicação de isolamento térmico na cobertura dos edifícios E, G e P, removendo o amianto existente.