Acessibilidade

ADF - Área Departamental de Física

Prémio Francisco Fonseca Benevides

O prémio anual “Francisco Fonseca Benevides” foi criado com o objetivo de distinguir os alunos com mérito académico excepcional nas unidades curriculares leccionadas pela Área Departamental de Física (ADF) nos cursos de licenciatura e de mestrado do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL).

A entrega dos prémios e menções honrosas acontece, por norma, na sessão solene de abertura do ano letivo posterior.

  • Francisco Fonseca Benevides - Breve biografia...

    Francisco da Fonseca Benevides nasceu em Lisboa a 28 de Janeiro de 1835. O seu pai, Inácio António da Fonseca Benevides, era um médico ilustre formado em Coimbra, tendo sido presidente do conselho de saúde naval, médico efectivo da Real Câmara e físico-mor da armada. Foi autor de vários tratados médicos, sendo considerado um dos maiores especialistas da época em cólera.

    Francisco da Fonseca Benevides, de acordo com o Dicionário Histórico1, entrou em 1851 no serviço da marinha como aspirante, e concluídos os cursos do Liceu e da Escola Politécnica, seguiu e completou também o da Escola Naval em 1853, fazendo algumas viagens a bordo de navios de guerra, até dar baixa do serviço efectivo da armada em 1856”. Da sua passagem pela Marinha manteria a graduação de capitão-tenente da armada. O curso da Escola Politécnica, que incluía, entre outras, disciplinas de mecânica, astronomia e geodesia, física e química, permitiu-lhe ser nomeado, por concurso, lente de física do Instituto Industrial de Lisboa (IIL), em 1854. Em 1867 foi nomeado director do Museu Tecnológico do IIL, com a tarefa de reunir e organizar as colecções de máquinas e instrumentos científicos necessários para o ensino ministrado no Instituto. Sob a direcção de Benevides, a colecção do Museu Tecnológico adquiriu uma dimensão notável para a época, como o testemunha Francisco Dias da Costa na memória que escreveu sobre a participação do Instituto na Exposição Universal de Paris de 1900: “... il est toujours une installation remarquable par la richesse et le bon choix de ses instruments et autres éléments d’étude, que rendent les leçons du professeur Benevides un des cours les plus attrayants de l’Institut.”.

    Em 1891, Francisco da Fonseca Benevides foi nomeado director do, entretanto renomeado, Instituto Industrial e Comercial de Lisboa. Para além das suas funções de docência e direcção no IIL, Benevides seria designado pelo governo como membro das comissões encarregadas de estudar as exposições internacional do Porto em 1865 e universal de Paris em 1867, tendo-lhe sido igualmente atribuído o cargo de inspector das escolas industriais da circunscrição do Sul.

    Francisco da Fonseca Benevides foi autor de uma notável e poliédrica bibliografia, que compreende artigos científicos, publicados em revistas nacionais e estrangeiras, manuais ilustrados de física e também uma biografia das rainhas de Portugal, uma história do Teatro de S. Carlos e um romance histórico, intitulado “No tempo dos franceses”.

    De entre os seus trabalhos científicos merecem destaque os que dedicou ao estudo dos gases e das chamas; a sua memória sobre a chama dos gases comprimidos foi publicada não só no Jornal de sciencias mathematicas, physicas e naturaes, (Academia de Ciências de Lisboa, 1872), mas também nos Annales de Chimie et Physique, (Paris, 1873), tendo despertado o interesse da comunidade científica internacional, patente por exemplo no trabalho que sobre o mesmo tema viria a publicar Karl Heumann, do Politécnico de Zurique, nos Annalen der chemie (Leipzig, 1876). No Jornal de sciencias mathematicas, physicas e naturaes, publicou igualmente a descrição de dois aparelhos da sua invenção, um para demonstração das propriedades físicas dos gases e outro para a compressão de gases, que receberiam a designação de Benevides. A descrição destes aparelhos seria igualmente publicada em várias publicações estrangeiras. A sua competência científica foi reconhecida pelos pares, tendo sido eleito como sócio correspondente da Academia das Ciências de Lisboa, na Classe de Ciências, a 7 de Fevereiro de 1886.

    Pelas suas variadas e importantes contribuições para a coisa pública, foi agraciado com o grau de cavaleiro da ordem de Cristo em 1862, e com o de comendador em 1867, sendo também cavaleiro da ordem de S. Tiago. Faleceu em Lisboa, em 1911.

    António Casaca e Catarina Rosa Leal, ADF – ISEL 

    1Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico, Volume II, págs. 299-300. João Romano Torres – Editor, Lisboa, 1904 - 1915. Edição electrónica: Manuel Amaral, 2000-2008.

    2Benevides, Francisco da Fonseca. Catalogo das Collecções do Museu Technologico. Lisboa: Typographia de Castro Irmão, 1873.

  • Regulamento do prémio “Francisco Fonseca Benevides”
  • Premiados
    2019
       
    Sara Filipa Rebelo Mendes
    LEQB Prémio
    Laura Daniela Miranda Teixeira LEQB Menção honrosa
    Tomás Daniel von Driel Costa LEB Menção honrosa
    João Francisco Agostinho Valério LEE Menção honrosa
    Daniela Frazão
    MEB Prémio
    2018
       
    Raquel Santos Mendes de Carvalho
    LEM Prémio 
    Daniel José Rodrigues dos Santos LEM Menção honrosa
    Diogo Alexandre César Dimas LEM Menção honrosa
    Júnior Abdulai Romão Mané LEM Menção honrosa
    Tatiana Fernandes
    MEB Prémio 
    2017
       
    Ivo André Vieira Cleto
    LEE Prémio
    Miguel Filipe Rodrigues de Melo LEE Menção honrosa
    Fernando Jorge Cabrita Andrez LEM Menção honrosa
    Maria Carolina Margarido Sequeira LEQB Menção honrosa
    Telma Galvão Guiu LEQB Menção honrosa
    Micael Filipe Gomes dos Santos LEM Menção honrosa
    Patrícia Alexandra Andrade Dias
    MEB Prémio
    Ana Catarina Cavaco Monteiro MEE Menção honrosa